O que aprendi como professor de escola pública nos tempos de hoje?

29/07/2015 13:52

- Fessor, não trouxe o trabalho...
- De novo? Como assim? Anunciei com duas semanas de antecedência!!! [coloco o freio de mão no nervosismo] O que houve, algum problema?
- Minha mãe ficou doente e meu pai tá preso. Não tenho internet em casa, nem livro. Não pude sair pra fazer o trabalho, por causa da minha mãe [abaixa a cabeça].

É, fessor, tomou? Aliás, com esses acontecimentos o senhor conseguiria ter cabeça pra fazer um trabalho? Pois é... Mais tarde teve mais:

- Professor, não estou entendendo o que é para fazer aqui...
- Mas está escrito, e li a prova. Perguntei se todo o mundo tinha entendido, você falou que entendeu...
- Mas agora deixei de entender... 


Tratava-se de uma menina "de inclusão", muito esforçada mas que possui deficiência intelectual (DI). A lei obriga que ela seja incluída na educação regular, no sentido de fazer com que ela esteja na mesma sala de aula que os estudantes ditos "normais", contudo não existe recursos necessários para que se dê atenção necessária para o aprendizado ela. Nesta sala de aula, muito indisciplinada por sinal, com pelo menos cinco estudantes mimados sem problemas sociais ou cognitivos, ainda havia também um aluno com problema motor; outro que era disléxico; outro chegando à maioridade e estava junto com coleguinhas de 10 a 12 anos, sua mãe se recusava levá-lo a um profissional para verificar se era o caso de algum problema cognitivo; outra, muito frequentemente vinha assistir aula com um odor forte de urina. Com todas estas especificidades, tornava-se difícil que um professor ministrasse suscessivas aulas satisfatórias,  pois tratava-se de um caso de assobiar, chupar cana e fazer malabarismo ao mesmo tempo, e assim sendo pelo menos uma coisa dá errado.

 

Voltando a falar em primeira pessoa, estudei na maior parte da minha vida escolar em um colégio particular que - na minha opinião - ascendeu do mediano para um nível mais elitizado, que objetiva a preparação de vestibulares no Ensino Médio. No fim do Ensino Fundamental, consegui uma bolsa parcial através de um processo seletivo, o que deu uma desafogada no orçamento. Apesar de sempre ter morado em um bairro de classe média baixa, tendo todos os meus amigos estudantes de escolas públicas, ou que abandonaram os estudos nestas instituições de ensino, alguns desses correndo atrás da bola por meio de supletivos, dentro da escola os círculos eram mais "elitizados". Os problemas indisciplinares na escola eram mínimos. Uma das vantagens, frente à maioria das escolas particulares que vejo hoje, é que não existia carteirada de pais e responsáveis com o papo de "Vou tirar meu filho desta escola!" ou de seus rebentos com o de "Minha mãe paga o seu salário!". Assim sendo, apesar de algumas discordâncias pedagógicas que hoje tenho, a política de "a porta da rua é a serventia da casa" não deixava a maioria dos problemas contemporâneos das escolas privadas se criarem.

Fui conhecer a escola pública pela primeira vez, indiretamente pela minha primeira faculdade (onde muitos oriundos do ensino médio público estavam após pelo menos um ano de estudo pós-ensino médio, muitas vezes em cursinhos), e mais diretamente em uma escola técnica estadual. Mais tarde, estudando licenciatura (a modalidade menos elitizada de cursos superiores) e estagiando em sala de aula, ainda assim minha experiência era recuada. Posteriormente, os anos como trabalhador administrativo de um Instituto Federal só serviu para deixar meu ponto de vista mais turvo, pois os Institutos Federais estão longe de serem uma amostragem fiel de uma escola pública. Até que, finalmente, tornei-me professor na educação pública básica... Então, o que aprendi como tal?

Bom, aprendi que da grade curricular os estudantes aprendem muito pouco. E isto não ocorre por culpa dos professores, dos funcionários que atuam fora da sala de aula, ou da direção, mas sim por uma razão mais ampla, mais macro, que impede um bom processo de ensino-aprendizagem.

 


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!